20 de junho de 2007



Antes teor que teorema
vê lá se além de poeta
és tu poema.

Agostinho da Silva

2 comentários:

Anónimo disse...

Ó rapariga, este É muito bonito!
g.

Maria disse...

Apetece-me ser qualquer coisa, ainda que obsoleta, um bibelot de loiça.
Quiça, algum poeta distraído me faça de pisa papéis...
Ficar de perto e poder espiar a urgente poesia que pousa, inquieta,na resma parda de agonia.
E soprá-la,,,,,Fffffff
Um ar que lhe deu, que se deu.


Um beijo

Maria