12 de junho de 2007



Sou muito económico - aproveito muito bem o tempo.

Júlio Resende
in DNA 1999


O tempo é o que se faz com ele.

Publicidade da Swacht
Dezembro 1997

7 comentários:

Maria disse...

Que seja ele a fazer de mim e comigo o que melhor lhe aprouver.
Um tempo sempre em aberto, feito e refeito de pequenos nadas, reluzentes de prazer e alegria.
Brindo ao tempo soalheiro.

Maria

Maria disse...

Hoje há borlas de Swacht??
Quero o verdinho (faz pendant com o manjerico)
Ó meu rico Santo António
Perfumado de alecrim
Dizem que és casamenteiro...
Arranja lá um pra mim.
(um? já que é à borla peço dois, assim sempre dá pra desenjoar)
Era a brincar ó pazinho,,,mas se puderes fazer um jeitinho...:-)

Maria

Anónimo disse...

Gosto de fazer tudo sem tempo...

E vc?


Eu,

rosário disse...

Eu não uso relógio e gosto de ter o tempo todo.

Anónimo disse...

Fique também com o meu tempo, ele como eu somos muito dados...

E já agora...eu uso!


O cromo,

Ponteiro disse...

O tempo aquele tic-tac ininterrupto… estupidamente ritmado, que nos está sempre a iludir. Por vezes rápido, fazendo o nosso momento tão efémero, outras vezes arrastado, lento… deixando-nos à deriva remoendo pensamentos duma vida e no final damo-nos conta que poucos foram os segundos passados. E o tic-tac é o mesmo!

A pergunta que deixo é simples (a resposta é que poderá ser mais complexa): Teremos nós a capacidade de individualmente acelerar um tic-tac igual para todos? Ou será esse mesmo tic-tac que nos finta quando um piscar de olhos nos parece infindável?

saudações

rosário disse...

A cadência do tic-tac depende do nosso nível emocional directamente condicionado por "um piscar de olhos infindável" ou por outra coisa qualquer.