27 de maio de 2009

"Guernica" de Pablo Picasso


SMS
- Estou em frente à "Guernica".
- Desmonta a guerra do sofrimento e delicia-te.

João Mateus
Maio 2009

Não consegui.
Mais uma imagem sem palavras.
Não sei descrever o que senti enquanto estive frente à "Guernica".

Também não sei descrever o que senti enquanto estive frente à "Anunciação" de Leonardo da Vinci.
A José Pinto Nogueira em cujo consultório eu vi a "Guernica" pela primeira vez, era eu muito criança.

À inutilidade das palavras.

Errata: Não é a "Anunciação" mas sim "The Virgin and Child with SS.Anne and Jonh the Baptist"

3 comentários:

comboio turbulento disse...

como eu te compreendo. ficamos esmagados com a dimensão física e intensa das figuras. é uma das obras onde se entra no contexto muito facilmente. é isso que nos apanha de surpresa habituados a reproduções mínimas onde nos escapam os pormenores.

Anónimo disse...

e nos esmaga.
Apesar de todas aquelas salas com os estudos de Picasso por onde vais percebendo como aquela obra foi conseguida.
De qualquer forma acho que não se está à espera do que se vai encontrar.
Ver "Guernica" num postal ou reprodução é ridículo.

rosário

GBM disse...

É! Vi o original pela primeira vez, malele chegou a Madrid. Fiquei esmagada, apesar do vidro anti-bomba e outras coisas. Sentei-me e nem sabia o que pensar. Principalmente, porque é de fácil "fotocópia". Parece... mas não é! A dimensão, que nospermite aprimorar o pormenor, é esmagadora. Já voltei a olhá-lo, no Prado, outras vezes e é sempre a mesma coisa. Penso que depois de o vermos se torna impensável olhar uma réplica.
E também, depois da primeira vez que o vi, criei uma urgência em ir a Guernica. Fui e foi muito especial. Ainda lá está, devidamente identificada, a única árvore que sobreviveu ao bombardeamento.